Homenagem a Andrea Tonacci

Entre os dias 02 e 19 de fevereiro, a Cinemateca Brasileira apresenta, em parceria com a Fap – UNIFESP e com a colaboração da Extrema Produção Artística, a Homenagem a Andrea Tonacci. Serão exibidos 12 títulos do diretor, incluindo obras marcantes do cinema brasileiro, como Bang-bang e Serras da desordem, e também, seu último filme, Já visto, jamais visto. A mostra tem entrada gratuita.

Nascido na Itália em 1944, Tonacci radicou-se no Brasil e fez sua estreia como cineasta com Olho por olho, um curta-metragem escrito, dirigido e fotografado por ele. Em seguida, em meio à censura e à ditadura militar, realiza Blablabla, um poderoso filme político. Com Bang-bang, um dos marcos do cinema de invenção brasileiro, Tonacci realiza uma de suas obras-primas.

Foi um dos pioneiros da linguagem do vídeo no Brasil e seus registros inclusive compõe o material de arquivo de seu último filme. Iniciou pesquisas com as culturas indígenas, em filmes como Os Arara e Conversas no Maranhão. Realizado entre os anos de 1977 e 1983, Conversas no Maranhão nasceu do contato de Tonacci com os índios Canela Apãniekra nos anos 1970. O filme é um importante manifesto dos Canela Apãniekra ao governo brasileiro, no momento da demarcação de suas terras pela Funai. À medida que narra a história da comunidade, os conflitos fundiários, seu massacre e os limites imemoriais de seu território, Conversas no Maranhão observa os rituais e o cotidiano dos Canela Apãniekra, entrevistando também chefes da aldeia. 

Entre os anos 1990 e 2000, Tonacci dirigiu uma série de curtas e médias-metragens, como Óculos para ver pensamentos, Para ver TV tem que ficar ligado e Página de diário de viagem, com destaque para suas obras institucionais, Theatro Mvnicipal de SP e Biblioteca Nacional.

Depois de um longo período de gestação, em 2006 é apresentada a obra-prima Serras da desordem, na qual retoma sua experiência com grupos indígenas. Misturando registro documental e ficção, a obra trata do dramático embate entre natureza e civilização e é um dos mais importantes filmes deste século. Em 2013, retomando estudos e materiais realizados em meados da década de 1990 para um filme de ficção chamado Paixões que, por diversos motivos, não chegou a ser concluído, Tonacci realiza Já visto, jamais visto. Num brilhante trabalho de montagem realizado em parceria com Cristina Amaral,  Já visto, jamais visto é uma reflexão profunda sobre cinema e memória.

Bang-bang
Sinopse:

“Homem-macaco” é perseguido por uma quadrilha de criminosos bizarros neste filme policial satírico, estruturalmente livre, rodado na Belo Horizonte do início dos anos 1970. Brilhante ficção de cinema sobre o cinema e um dos marcos do cinema brasileiro. Grande interpretação de Paulo César Pereio.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 1971
Cromia: Preto e Branco
Duração: 80
Formato de Exibição: 35mm
Formato Original: 35mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco: Paulo César Pereio, Abrahão Farc, José Aurélio Vieira, Ezequias Marques
Ano de Produção: 1971
Cromia: Preto e Branco
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 80
Formato de Exibição: 35mm
Formato Original: 35mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
04.02.2017

sábado | SALA BNDES | 18:00

12.02.2017

domingo | SALA BNDES | 19:00

17.02.2017

sexta-feira | SALA BNDES | 20:00

Blablablá
Sinopse:

Num momento de grave crise nacional, um ditador, confrontado na cidade e no campo por revoltas e guerrilha, faz um longo pronunciamento pela televisão buscando justificar seu programa de governo e obter uma paz ilusória. Melhor curta-metragem no Festival de Brasília. Montagem de Geraldo Veloso.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 1968
Cromia: Preto e Branco
Duração: 26
Formato de Exibição: 35mm
Formato Original: 35mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco: Paulo Gracindo, Irma Alvarez, Nelson Xavier, Marcelo Pietsh França
Ano de Produção: 1968
Cromia: Preto e Branco
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 26
Formato de Exibição: 35mm
Formato Original: 35mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
04.02.2017

sábado | SALA BNDES | 17:00

17.02.2017

sexta-feira | SALA BNDES | 19:00

Conversas no Maranhão
Sinopse:

Durante a demarcação de suas terras pela Funai, índios Canela Apãniekra decidem interromper o trabalho dos topógrafos para enviar suas reivindicações para Brasília. Mais do que um documentário, Conversas no Maranhão se tornou um manifesto dos índios ao governo brasileiro. À medida em que narra a história do grupo, seu massacre, os conflitos fundiários e os limites imemoriais de seu território, o filme exibe imagens de seus rituais e de seu cotidiano, costuradas a entrevistas com os chefes da aldeia. Exibição em nova cópia digital, com áudio remasterizado pela Cinemateca.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 1983
Cromia: Colorido
Duração: 120
Formato de Exibição: HDCam
Formato Original: 16mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco:
Ano de Produção: 1983
Cromia: Colorido
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 120
Formato de Exibição: HDCam
Formato Original: 16mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
09.02.2017

quinta-feira | SALA BNDES | 19:00

05.02.2017

domingo | SALA BNDES | 17:00

18.02.2017

sábado | SALA BNDES | 21:00

Curtas Tonacci
Sinopse:

Óculos para ver pensamentos (1994, 15') Obra composta por vídeo-performance e instalação, apresentados no evento Arte/Cidade 2 - A Cidade e seus Fluxos, curadoria Nelson Brissac Peixoto. O vídeo é o registro do encontro de um repentista (Sebastião Marinho) e um rapper (Smokey D.) a partir do mote olhar. Usando seu dispositivo para ver “pensamentos, emoções, sentimentos”, Tonacci, em frente à câmera, acompanha-os da sala de sua produtora ao viaduto do chá. Cine-acontecimento!

Para ver TV tem que ficar ligado (DV, 2000, 6') As relações entre TV e sociedade segundo dois pontos de vista: um psiquiatra, José Ângelo Gaiarsa, e alguns rappers paulistanos, entre eles, MC Thaíde. Realizado para a Mostra 50 anos de TV e +, curadoria Marcello Dantas e Ralph Appelbaum, OCA (Parque do Ibirapuera), São Paulo.

Theatro Mvnicipal de SP (DV, 1998, 23') Apresentação da vitalidade artística do Mvnicipal ao longo dos seus 90 anos. A História através de belas imagens pontuadas pela ópera “Fidélio” de Beethoven. Mais uma parceria de Andrea Tonacci com o fotográfo Mário Carneiro e a montadora Cristina Amaral. Vídeo institucional para o Ministério da Cultura.

Biblioteca Nacional (DV, 1997, 22') Uma reflexão sobre o livro e a cultural através de depoimentos cadenciados por imagens da Biblioteca Nacional. O diretor abre mão da voz off, tradicional a este tipo de produção, em favor de um discurso polifônico. Combinando falas mais informativas de representantes de instituições - presidentes (Academia Brasileira de Letras e Biblioteca Nacional) e ministro (Cultura) – com as falas, por exemplo, de Sérgio Sant´Anna e Lygia Fagundes Telles, que livres da representação de cargo público, expressam, em um outro tom, sua paixão e vocação para com o livro. Realizado por um time de peso: Luiz Rosemberg Filho, roteiro; Mário Carneiro, fotografia e câmera; Mário Manga, música; Cristina Amaral, montagem. Vídeo institucional para o Ministério da Cultura.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção:
Cromia: Colorido
Duração: 66
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco:
Ano de Produção:
Cromia: Colorido
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 66
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
03.02.2017

sexta-feira | SALA BNDES | 20:00

12.02.2017

domingo | SALA BNDES | 17:00

19.02.2017

domingo | SALA BNDES | 19:30

Já visto, jamais visto
Sinopse:

Um diálogo entre as memórias de um autor e as imagens que filmou e guardou ao longo de sua atividade cinematográfica. Segmentos de filmes realizados, de vida pessoal, fragmentos de filmes esboçados, nunca revistos nem editados, imagens como seres outros que nos alteram a percepção do presente, ausências interferindo numa vida que lhes é posterior, imprevisível. Montagem de Cristina Amaral.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 2013
Cromia: Colorido
Duração: 54
Formato de Exibição: DCP
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco:
Ano de Produção: 2013
Cromia: Colorido
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 54
Formato de Exibição: DCP
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
02.02.2017

quinta-feira | SALA BNDES | 20:00

11.02.2017

sábado | SALA BNDES | 19:00

19.02.2017

domingo | SALA BNDES | 18:00

Olho por olho
Sinopse:

Um grupo de amigos da classe média circula de carro pela cidade de São Paulo, reagindo ao sentimento de impotência e frustração que lhes invade a vida. Primeiro filme dirigido por Andrea Tonacci, com montagem de Rogério Sganzerla.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 1966
Cromia: Preto e Branco
Duração: 22
Formato de Exibição: HDCam
Formato Original: 16mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco: Francisco Arruda, Ronaldo Ferraz, Sérgio Frederico
Ano de Produção: 1966
Cromia: Preto e Branco
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 22
Formato de Exibição: HDCam
Formato Original: 16mm
Título Original:
País de Origem: Brasil
04.02.2017

sábado | SALA BNDES | 17:00

17.02.2017

sexta-feira | SALA BNDES | 19:00

Os Arara I
Sinopse:

Primeiro episódio da série de TV sobre o trabalho da Frente de Atração da FUNAI. Com a construção da Transamazônica as terras dos Arara (sem contato com o homem branco) foi cortada ao meio. A expedição liderada pelo sertanista Sidney Possuelo procurava demarcar o território indígena e protegê-los do avanço de madeireiras da região.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 1980
Cromia: Colorido
Duração: 60
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco:
Ano de Produção: 1980
Cromia: Colorido
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 60
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
04.02.2017

sábado | SALA BNDES | 20:00

10.02.2017

sexta-feira | SALA BNDES | 19:00

18.02.2017

sábado | SALA BNDES | 19:00

Os Arara II
Sinopse:

Segundo episódio da série de TV sobre o trabalho da Frente de Atração da FUNAI. Com a construção da Transamazônica as terras dos Arara (sem contato com o homem branco) foi cortada ao meio. A expedição liderada pelo sertanista Sidney Possuelo procurava demarcar o território indígena e protegê-los do avanço de madeireiras da região.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 1980
Cromia: Colorido
Duração: 60
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco:
Ano de Produção: 1980
Cromia: Colorido
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 60
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
10.02.2017

sexta-feira | SALA BNDES | 19:00

18.02.2017

sábado | SALA BNDES | 19:00

04.02.2017

sábado | SALA BNDES | 21:00

Página de diário de viagem
Sinopse:

As impressões do cineasta sobre o seu primeiro encontro com Carapiru, personagem de “Serras da Desordem”, e sua tribo.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 2000
Cromia: Colorido
Duração: 6
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original: MiniDV
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco:
Ano de Produção: 2000
Cromia: Colorido
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 6
Formato de Exibição: Arquivo digital
Formato Original: MiniDV
Título Original:
País de Origem: Brasil
05.02.2017

domingo | SALA BNDES | 19:00

11.02.2017

sábado | SALA BNDES | 20:00

16.02.2017

quinta-feira | SALA BNDES | 19:00

Serras da desordem
Sinopse:

Índio nômade perambula pelas serras do centro do país depois que sua família é massacrada por um grupo de fazendeiros. Capturado em novembro de 1988, a dois mil quilômetros de distância de seu ponto de partida, é levado por um sertanista à Brasília. Sua história ganha as páginas dos jornais, gerando polêmica entre historiadores e antropólogos em relação à sua origem e identidade. Um dos maiores filmes dos últimos anos, Serras da desordem recebeu o Prêmio de Melhor filme e Fotografia no Festival de Gramado, Melhor filme na APCA e no I Prêmio Jairo Ferreira. Fotografia de Aloysio Raulino, Alziro Barbosa e Fernando Coster. Montagem de Cristina Amaral.


Direção: Andrea Tonacci
Ano de Produção: 2006
Cromia: Colorido
Duração: 135
Formato de Exibição: 35mm
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
Elenco: Carapirú, Sydney Possuelo, Tiramukõn, Camairú, Myhatxiá
Ano de Produção: 2006
Cromia: Colorido
Direção: Andrea Tonacci
Duração: 135
Formato de Exibição: 35mm
Formato Original:
Título Original:
País de Origem: Brasil
05.02.2017

domingo | SALA BNDES | 19:00

11.02.2017

sábado | SALA BNDES | 20:00

16.02.2017

quinta-feira | SALA BNDES | 19:00