ínicio

Programação

OS MÚLTIPLOS LUGARES DE ROBERTO FARIAS
18 de setembro a 18 de outubro de 2012
 
A Cinemateca Brasileira homenageia o cineasta Roberto Farias, apresentando uma retrospectiva de sua obra. Reunindo todos os filmes dirigidos pelo realizador, que completou neste ano 80 anos, e a maior parte de sua filmografia como produtor, a mostra é uma realização do Centro Cultural Banco do Brasil e conta com a curadoria dos pesquisadores João Luiz Vieira e Tunico Amancio. Produzida pela Jurubeba Produções, e co-produzida pela Cinemateca, a homenagem inclui debates e a exibição de 16 filmes em novas cópias 35mm especialmente confeccionadas pela Cinemateca para esta ocasião.
 
Diretor, produtor, distribuidor, empresário e articulador de políticas públicas para o setor cinematográfico à frente da Embrafilme nos anos 1970, Roberto Farias é dono de uma extensa trajetória profissional que se confunde com momentos capitais da história do cinema brasileiro. Nascido em 27 de março de 1932, em Nova Friburgo (RJ), iniciou sua carreira como assistente nos estúdios da Atlântida no começo dos anos 1950, trabalhando e aprendendo o ofício ao lado de diretores como Watson Macedo, José Carlos Burle e J. B. Tanko. Entre 1956 e 1957, já familiarizado com a dramaturgia das comédias musicais feitas pela produtora carioca, dirigiu seu primeiro filme, a chanchada Rico ri à toa, estrelada pelo comediante Zé Trindade. Valendo-se do sucesso de bilheteria da obra, realizou nova comédia musical, No mundo lua (1958), com a participação de seu irmão Reginaldo Faria no elenco. Logo depois, dirigiu a Cidade ameaçada, lançado em 1960, com a atriz Eva Wilma no elenco. Sua primeira incursão pelo filme policial, sucesso de público e crítica, Cidade ameaçada concorreu à Palma de Ouro do Festival de Cannes, ao lado de produções de Bergman, Ichikawa, Saura, Buñuel, Antonioni e Fellini, que venceu a premiação com A doce vida. Nesta época, despertou interesse dos cinemanovistas, especialmente de Glauber Rocha. Voltou à chanchada com Um candango na Belacap (1961) e novamente ao filme policial com O assalto ao trem pagador (1962), clássico absoluto do gênero no país, responsável por consagrar sua carreira como diretor. Ainda no início dos anos 1960, realizou o drama rural Selva trágica (1964), saudado por Glauber, e constituiu, ao lado dos irmãos Reginaldo e Riva Faria, a R. F. Produções Artísticas. Em 1964, disposto a enfrentar as dificuldades de distribuição encontradas pelo cinema brasileiro no mercado, fundou a Difilm, iniciativa elogiada pelos jovens diretores da nouvelle vague.
 
Já apresentada no CCBB Rio, e em cartaz no CCBB SP entre os dias 05 e 16 de setembro, a mostra OS MÚLTIPLOS LUGARES DE ROBERTO FARIAS ainda apresenta em novas cópias 35mm a imperdível trilogia pop estrelada por Roberto Carlos, o contundente Pra frente Brasil (1982), longa sobre os anos de chumbo, dentre outras produções há muito ausentes das telas como a rara comédia erótica Os paqueras (1969) e o policial inspirado na obra de Plínio Marcos, Barra pesada (1977), ambos dirigidos por Reginaldo Faria e produzidos por Roberto Farias e seu irmão Riva Faria. No dia 18 de setembro, às 20h00, data de abertura da mostra na Cinemateca, Roberto Farias e Eva Wilma conversam com o público sobre a criação e os bastidores de Cidade ameaçada, após a projeção do filme.
 
CINEMATECA BRASILEIRA
Largo Senador Raul Cardoso, 207
próxima ao Metrô Vila Mariana
Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)
Ingressos: R$ 8,00 (inteira) / R$ 4,00 (meia-entrada)
Maiores de 60 anos e estudantes do Ensino Fundamental e Médio de escolas públicas têm direito à entrada gratuita mediante a apresentação de documento.
 
COMPRE  INGRESSO E GANHE O CATÁLOGO DA MOSTRA REUNINDO FOTOS, TEXTOS CRÍTICOS E CARTAZES DOS FILMES
 
PROGRAMAÇÃO
 
18.09 | TERÇA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
20h00 CIDADE AMEAÇADA | ENCONTRO COM ROBERTO FARIAS E EVA WILMA
 
19.09 | QUARTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
19h00 AVISO AOS NAVEGANTES
21h00 RICO RI À TOA
 
20.09 | QUINTA
 
SALA CINEMATECA PETROBRAS
 
19h00 É FOGO NA ROUPA
21h00 NO MUNDO DA LUA
 
21.09 | SEXTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 RIO FANTASIA
 
22.09 | SÁBADO
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
16h30 UM CANDANGO NA BELACAP
18h30 O ASSALTO AO TREM PAGADOR
20h30 SELVA TRÁGICA
 
23.09 | DOMINGO
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
16h00 TODA DONZELA TEM UM PAI QUE É UMA FERA
 
25.09 | TERÇA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 OS PAQUERAS
20h30 ROBERTO CARLOS EM RITMO DE AVENTURA
 
26.09 | QUARTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
19h00 OS TRAPALHÕES NO AUTO DA COMPADECIDA
21h00 ROBERTO CARLOS E O DIAMANTE COR-DE-ROSA
 
27.09 | QUINTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
19h00 TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA
21h00 ROBERTO CARLOS A 300KM POR HORA
 
28.09 | SEXTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 OS MACHÕES
 
29.09 | SÁBADO
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
14h00 PRA FRENTE BRASIL
18h30 CIDADE AMEAÇADA
20h30 BARRA PESADA
 
30.09 | DOMINGO
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
16h00 O CASAMENTO DE ROMEU E JULIETA
 
02.10 | TERÇA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 QUEM TEM MEDO DE LOBISOMEM?
20h30 OS TRAPALHÕES NO AUTO DA COMPADECIDA
 
03.10 | QUARTA
 
SALA CINEMATECA PETROBRAS
 
19h00 MAR DE ROSAS
21h00 OS MACHÕES
 
04.10 | QUINTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
19h00 AGUENTA CORAÇÃO
21h00 O ASSALTO AO TREM PAGADOR
 
05.10 | SEXTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 COM LICENÇA, EU VOU À LUTA
 
06.10 | SÁBADO
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
16h30 ROBERTO CARLOS EM RITMO DE AVENTURA
18h30 ROBERTO CARLOS E O DIAMANTE COR-DE-ROSA
20h30 ROBERTO CARLOS A 300KM POR HORA
 
07.10 | DOMINGO
 
SALA CINEMATECA PETROBRAS
 
18h30 RICO RI À TOA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
16h00 O FABULOSO FITTIPALDI
 
10.10 | QUARTA
 
SALA CINEMATECA PETROBRAS
 
18h30 TODA DONZELA TEM UM PAI QUE É UMA FERA
 
11.10 | QUINTA
 
SALA CINEMATECA PETROBRAS
 
18h30 UM CANDANGO NA BELACAP
 
12.10 | SEXTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
14h00 OS TRAPALHÕES NO AUTO DA COMPADECIDA
 
13.10 | SÁBADO
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 NO MUNDO DA LUA
20h30 OS PAQUERAS
 
14.10 | DOMINGO
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
16h00 OS TRAPALHÕES NO AUTO DA COMPADECIDA
 
17.10 QUARTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 PRA FRENTE BRASIL
20h30 AVENTURAS DO TIO MANECO
 
18.10 QUINTA
 
SALA CINEMATECA BNDES
 
18h30 SELVA TRÁGICA
 
 
FICHAS TÉCNICAS E SINOPSES
 
Aguenta coração, de Reginaldo Faria
Rio de Janeiro, 1982, 35mm, cor, 99’
Reginaldo Faria, Jorge Botelho, Christiane Torloni, Cristina Aché
Dois colegas trabalham numa imobiliária e, nas horas vagas, filmam com uma câmera 16mm. Casados, também enfrentam problemas com suas mulheres, cansadas de suas posturas machistas. Durante um fim de semana, os rapazes documentam um crime e são contratados por um canal de TV. Produção de Antônio Martins, Riva Faria, Rogério Faria e Roberto Farias.
não indicado para menores de 14 anos
qui 04.10 19h00
 
O assalto ao trem pagador, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1962, 35mm, pb, 103’
Eliezer Gomes, Reginaldo Faria, Jorge Dória, Atila Iório
Quadrilha de favelados, comandada por Tião Medonho, assalta o trem pagador da Estrada de Ferro Central do Brasil. Após a bem-sucedida experiência de Cidade ameaçada, Roberto Farias investe mais uma vez no filme policial, agregando cores locais às convenções narrativas do gênero. O sucesso do filme, que conta com a participação de Grande Otelo, consolida sua carreira dentro do cinema brasileiro dos anos 1960 – tempos de Cinema Novo e de efervescência política de esquerda.
não indicado para menores de 12 anos
sáb 22 18h30 | qui 04.10 21h00
 
Aventuras com Tio Maneco, de Flávio Migliaccio
Rio de Janeiro, 1971, 35mm, cor, 90’
Flávio Migliaccio, Odete Lara, Walter Forster, Rodolfo Arena
Tio Maneco leva os filhos de seu cunhado para passarem férias no sítio de seu avô no Mato Grosso. O idoso é um radioamador fanático, obcecado em contatar seres de outros planetas. Ao chegarem ao sítio, eles encontram um disco voador. Comédia de ficção científica para o público infanto-juvenil. Produção de Roberto Farias.
livre
qui 17 20h30
 
Aviso aos navegantes, de Watson Macedo
Rio de Janeiro, 1950, 35mm, pb, 113’
Oscarito, Grande Otelo, Anselmo Duarte, Eliana
Navio parte de Buenos Aires para o Rio de Janeiro. No meio da viagem, os passageiros recebem alerta de que um perigoso espião está a bordo. Todos se unem para capturá-lo, dando início a uma série de aventuras intercaladas por números musicais e desencontros amorosos. Chanchada dos estúdios Atlântida. Segunda assistência de direção de Roberto Farias para a produtora carioca.
livre
qua 19 19h00
 
Barra pesada, de Reginaldo Faria
Rio de Janeiro, 1977, 35mm, cor, 110’
Stepan Nercessian, Kátia D’Angelo, Ítala Nandi, Ivan Candido
Cansado de exploração, pivete revoltado decide subir no mundo do crime. Para se tornar um marginal respeitado, compra um revólver e começa a eliminar seus rivais. Policial baseado no romance Nas quebradas da vida, de Plínio Marcos, que assina o argumento do filme. Trilha sonora de Edu Lobo, fotografia de Fernando Duarte e participação de Wilson Grey. Produção de Riva Faria, Pedro Aurélio Gentil, Maurício Nabuco e Roberto Farias.
não indicado para menores de 18 anos
sáb 29 20h30
 
Um candango na Belacap, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1961, 35mm, pb, 100’ | Exibição em beta analógica
Ankito, Grande Otelo, Marina Marcel, Vera Regina
Durante a inauguração de Brasília, bailarina e cantora é perseguida por um pretendente milionário, mas foge com a ajuda de um cantor. Numa boate popular, encontram dois candangos. Juntos, eles vão parar no showbiz carioca. Por seu retorno à chanchada, e após a consagração de Cidade ameaçada, Roberto Farias recebeu diversas críticas, incluindo duras palavras de Glauber Rocha.
livre
sáb 22 16h30 | qui 11.10 18h30
 
O casamento de Romeu e Julieta, de Bruno Barreto
São Paulo, 2004, 35mm, cor, 93’ | Exibição em HD Cam
Luis Gustavo, Luana Piovani, Marco Ricca, Martha Mellinger
Advogado fanático pelo Palmeiras criou sua filha para ser como ele – palmeirense roxo. Centroavante da equipe feminina do clube, a bela jovem se apaixona por um médico corinthiano, gerando diversas confusões. Um dos maiores sucessos de bilheteria do cinema brasileiros nos anos 2000, O casamento de Romeu e Julieta retoma com graça a dramaturgia de comédias como O corintiano, de Amácio Mazzaropi, que se servem da paixão pelo futebol como ponto de partida para a discussão dos costumes e dos problemas familiares da classe média brasileira. Baseado no conto Palmeiras, um caso de amor, de Mario Prata. Produtores associados: Jandira Martini, Carlos Eduardo Rodrigues e Roberto Farias.
não indicado para menores de 10 anos
dom 30 16h00
 
Cidade ameaçada, de Roberto Farias
São Paulo, 1960, 35mm, pb, 105’
Jardel Filho, Eva Wilma, Reginaldo Faria, Ana Maria Nabuco
Baseado em fatos reais, mostra a ascensão e queda do bandido Promessinha, terror da periferia de São Paulo. O filme narra sua história, suas proezas e crueldades, até seu assassinato pela polícia. Primeira incursão de Roberto Farias na direção de um filme policial, Cidade ameaçada foi escolhido para representar o Brasil no Festival de Cannes de 1960, concorrendo à Palma de Ouro. Foi exibido em competição ao lado de obras de Bergman, Antonioni e Fellini, que acabou vencendo a premiação com A doce vida.
não indicado para menores de 12 anos
ter 18 20h00 | sáb 29 18h30
 
Com licença, eu vou à luta, de Lui Faria
Rio de Janeiro, 1986, 35mm, cor, 84’
Fernanda Torres, Marieta Severo, Carlos Augusto Strazzer, Reginaldo Faria
Numa cidade pobre da Baixada Fluminense, uma adolescente sofre com a repressão materna. O clima doméstico fica ainda mais tenso quando ela se apaixona por um homem desquitado e mais velho. Baseado na autobiografia Com licença, eu vou a luta (é ilegal ser menor?), best-seller de Eliane Maciel. Drama familiar estrelado por Fernanda Torres. Produção de Mauro Farias e Roberto Farias. Fotografia de Walter Carvalho.
não indicado para menores de 14 anos
sex 05.10 18h30
 
O fabuloso Fittipaldi, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1974, 35mm, cor, 98’
Documentário sobre Emerson Fittipaldi, campeão brasileiro de Fórmula I. O filme capta os bastidores das corridas e treinos e faz, ao mesmo tempo, um retrato íntimo do piloto. Concebido originalmente pelo cineasta Hector Babenco, O fabuloso Fittipaldi foi rodado em diversos países e é a única experiência de Roberto Farias na direção de documentários. Destaque para a trilha sonora composta pelo músico e produtor Marcos Valle.
livre
dom 07.10 16h00
 
É fogo na roupa, de Watson Macedo
Rio de Janeiro, 1952, 35mm, pb, 88’
Ankito, Violeta Ferraz, Heloisa Helena, Ivon Cury
Durante o primeiro Congresso das Esposas, surgem reivindicações contrárias aos privilégios dos homens. Enquanto isso, um precioso colar é roubado, gerando as maiores confusões. Comédia estrelada por Ankito, um dos maiores atores cômicos do cinema brasileiro. Em sua carreira, Ankito chegou a protagonizar mais de cinquenta filmes, tornando-se uma das principais estrelas da chanchada. Fotografia de Edgar Brasil. Assistência de direção de Roberto Farias.
livre
qui 20 19h00
 
Os machões, de Reginaldo Faria
Rio de Janeiro, 1972, 35mm, cor, 96’
Reginaldo Faria, Erasmo Carlos, Flávio Migliaccio, Mário Benvenutti
Três malandros vivem de pequenos golpes. Certo dia, conhecem um travesti que trabalha num salão de beleza, atendendo madames da alta roda. Dispostos a conseguir dinheiro, eles decidem se vestir de mulher e se empregar no salão. Comédia erótica estrelada por Reginaldo Faria, Flávio Migliaccio e pelo cantor Erasmo Carlos. Por sua atuação, Erasmo ganhou alguns dos principais prêmios da classe cinematográfica como o Coruja de Ouro e o Prêmio Governador do Estado de São Paulo de 1972. Produção de Roberto Farias e Roberto Gomes Ribeiro.
não indicado para menores de 14 anos
sex 28 18h30 | qua 03.10 21h00
 
Mar de rosas, de Ana Carolina
Rio de Janeiro, 1978, 35mm, cor, 90’
Norma Bengell, Hugo Carvana, Cristina Pereira, Otávio Augusto
Em companhia da filha, casal chega ao Rio de Janeiro e discute os impasses de seu matrimônio. A mulher decide matar o marido e o agride com uma navalha. Convencida de que ele está morto, foge com a menina de volta a São Paulo. Durante a viagem, descobre que está sendo seguida. Comédia de humor negro e estreia de Ana Carolina na direção de longas-metragens. Prêmio APCA de melhor filme em 1978. Fotografia de Lauro Escorel. Produção de José Carlos Escalero, Mário Volcoff e Roberto Farias.
não indicado para menores de 16 anos
qua 03.10 19h00
 
No mundo da lua, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1958, 35mm, pb, 104’
Evaldo Gouveia, Walter D’Ávila, Violeta Ferraz, Reginaldo Faria
Dois nordestinos chegam ao Rio de Janeiro. Um deles procura a noiva, que só conhece por cartas. O outro se desentende com a namorada, fã de rock. Chanchada realizada nos embalos do sucesso de Rico ri à toa.
livre
qui 20 21h00 | sáb 13.10 18h30
 
Os paqueras, de Reginaldo Faria
Rio de Janeiro, 1969, 35mm, cor, 102’
Reginaldo Faria, Walter Forster, Irene Stefania, Darlene Glória
Playboy carioca passa os dias a vagabundear e a paquerar garotas. Em suas aventuras, é acompanhado por um amigo industrial, pai de uma jovem. A amizade entre eles é abalada quando o playboy se apaixona pela filha do colega. Comédia de costumes, considerada por muitos pesquisadores do cinema brasileiro – à revelia de seu diretor – uma das precursoras da pornochanchada. Primeiro filme dirigido por Reginaldo Faria e estreia de Roberto Farias como produtor. Embalado pela trilha sonora dos Mutantes, Os paqueras conta ainda com a participação de Leila Diniz.
não indicado para menores de 16 anos
ter 25 18h30 | sáb 13.10 20h30
 
Pra frente Brasil, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1982, 35mm, cor, 105’ | Exibição em HD Cam
Reginaldo Faria, Antônio Fagundes, Natália do Vale, Elizabeth Savalla
Vivendo a euforia do milagre econômico nos anos 1970, o país acompanha com entusiasmo a Copa do Mundo e o tenso momento político marcado por prisões, luta armada e repressão. Em meio a tantas contradições, um pacato cidadão descobre da pior maneira o que acontece nos porões do regime militar. Depois de presidir por anos a Embrafilme, Roberto Farias deixa a empresa e realiza uma produção explosiva, que revê a experiência brasileira dos anos de chumbo a partir das lentes do thriller policial. Premiado no Festival de Berlim de 1983, Pra frente Brasil causou polêmica entre os militares, que o censuraram, e entre a intelectualidade de esquerda, que pôs em questão suas escolhas estéticas. Em todo caso, o filme cumpriu um papel importante ao escancarar os horrores do regime militar no momento de abertura política.
não indicado para menores de 16 anos
sáb 29 14h00 | qua 17.10 18h30
 
Quem tem medo de lobisomem?, de Reginaldo Faria
Rio de Janeiro, 1974, 35mm, cor, 92’
Reginaldo Faria, Stepan Nercessian, Camila Amado, Carlos Kroeber
Dois rapazes da capital saem em busca de aventuras pelo interior. Durante a viagem, conhecem uma noiva abandonada no altar e os três se hospedam numa misteriosa fazenda. A partir daí, fatos estranhos começam a assombrá-los. Filme de aventura e terror. Produção de Roberto Farias, Maurício Nabuco e Orlando Bonfim.
não indicado para menores de 14 anos
ter 02.10 18h30
 
Rio fantasia, de Watson Macedo
Rio de Janeiro, 1956, 35mm, pb, 115’
Eliana, John Herbert, Renato Murce, Humberto Catalan
Comédia musical sobre um quarteto de músicos nordestinos que vai para o Rio de Janeiro em busca do sucesso. Lá chegando, eles se hospedam numa pensão e conseguem se apresentar num espetáculo de caridade. Dois funcionários da TV Rio descobrem a trupe e tentam aliciar a jovem estrela do grupo. Assistência de produção de Roberto Farias. Participação de Zezé Macedo.
livre
sex 21 18h30
 
Rico ri à toa, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1957, 35mm, pb, 110’
Zé Trindade, Violeta Ferraz, Armando Camargo, Silvinha Chiozzo
Chofer de praça ganha o prêmio da loteria e tem de lidar com os constrangimentos de sua nova condição. Comédia musical estrelada por Zé Trindade, Rico ri à toa é o primeiro filme dirigido por Roberto Farias. Produzido pela Brasil Vita Filme, contém números musicais com a participação de grandes nomes da canção popular brasileira, como Dolores Duran.
não indicado para menores de 14 anos
qua 19 21h00 | dom 07.10 18h30
 
Roberto Carlos em ritmo de aventura, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1968, 35mm, cor, 98’
Roberto Carlos, José Lewgoy, Reginaldo Farias, Rose Passini
Roberto Carlos é perseguido por um grupo de bandidos que quer aprisioná-lo, e fazer com que, ao lado de um cérebro eletrônico, ele produza canções em massa. Muito mais que uma despretensiosa comédia de aventuras, protagonizada pelo maior símbolo da Jovem Guarda, Roberto Carlos em ritmo de aventura incorpora à sua narrativa temas do debate que mobiliza a classe artística brasileira em tempos de ditadura militar e indústria cultural. Aqui, Roberto Farias ainda resgata o espírito das chanchadas que dirigiu no início de sua carreira, marcadas pela paródia ao cinema americano e por números musicais. O roteiro do filme contou com a colaboração do escritor e cronista Paulo Mendes Campos.
livre
ter 25 20h30 | sáb 06.10 16h30
 
Roberto Carlos e o diamante cor de rosa, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1968, 35mm, cor, 94’
Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa, José Lewgoy
Os astros Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa fazem uma excursão até o Japão. Lá chegando, Wandeca adquire uma misteriosa estatueta que põe no encalço dos três uma quadrilha de bandidos. Para se livrar dela, o trio conta com a ajuda de um samurai. Segunda parte da trilogia musical estrelada por Roberto Carlos.
livre
qua 26 21h00 | sáb 06.10 18h30
 
Roberto Carlos a 300 km por hora, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1971, 35mm, cor, 99’
Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Raul Cortez, Maria Cristina Martinez
Dois mecânicos trabalham na oficina de um piloto brasileiro de fama internacional, que pretende correr um grande prêmio em Interlagos. Depois de muitas confusões, um dos mecânicos acaba assumindo o posto do chefe e se apresenta como competidor. Terceira parte da trilogia musical estrelada por Roberto Carlos.
livre qui 27 21h00 | sáb 06.10 20h30  
 
Selva trágica, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1964, 35mm, pb, 101’ | Exibição em beta analógica
Reginaldo Faria, Rejane Medeiros, Maurício do Valle, Joffre Soares
Numa região pouco conhecida do Brasil, quatro homens e uma mulher vivem do trabalho nas plantações de erva-mate. Nesse ambiente cruel e desumano, lutam pela sobrevivência e por sua liberdade. Filmado na fronteira entre Brasil e Paraguai, Selva trágica exibe as qualidades que fizeram de Roberto Farias um realizador versátil, avesso aos rótulos que na época o colocavam sob a chancela do filme urbano ou da chanchada. Nas palavras de Glauber Rocha “um filme forte e triste, mais Brasil que Estados Unidos”. Baseado no romance homônimo de Hernâni Donato.
não indicado para menores de 14 anos
sáb 22 20h30
| qui 18.10 18h30

Toda donzela tem um pai que é uma fera, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1966, 35mm, pb, 107’
John Herbert, Reginaldo Faria, Vera Vianna, Walter Forster
Filha de um general linha dura vai morar com o namorado. O velho descobre o casamento e, armado, persegue o rapaz. Para fugir da represália, o jovem conta com a ajuda de um amigo bon vivant. Baseado na peça de Gláucio Gil, sucesso nos palcos da época, Toda donzela tem um pai que é uma fera satiriza os hábitos da pequena burguesia carioca. Depois de Selva trágica, produção bem recebida pela crítica, mas nem tanto pelo público, Roberto Farias investe num filme de grande comunicação, inspirado pela comédia de costumes carioca.
livre
dom 23 16h00 | qua 10.10 18h30
 
Toda nudez será castigada, de Arnaldo Jabor
Rio de Janeiro, 1972, 35mm, cor, 103’
Paulo Porto, Darlene Glória, Paulo César Pereio, Paulo Sacks
Enquanto sua esposa agoniza, pai de família promete ao filho que nunca mais terá outra mulher. Seu irmão, no entanto, que vive às suas custas, o apresenta a uma bela prostituta. Uma das mais brilhantes adaptações da obra de Nelson Rodrigues para o cinema. Arnaldo Jabor revigora o melodrama e coloca sob um novo cenário – o ambiente familiar da burguesia carioca – questões fundamentais para o Cinema Novo nos anos 1970. Contando com interpretação primorosa da atriz Darlene Glória, o filme recebeu o Urso de Prata no Festival de Berlim de 1973. Produção de Arnaldo Jabor e Roberto Farias.
não indicado para menores de 16 anos
qui 27 19h00
 
Os Trapalhões no Auto da Compadecida, de Roberto Farias
Rio de Janeiro, 1987, 35mm, cor, 96’
Renato Aragão, Mussum, Dedé Santana, Zacarias
Trupe de artistas de circo chega a uma cidadezinha para apresentar o espetáculo Auto da Compadecida. Projeto acalentado pelo cineasta desde os anos 1960, Os Trapalhões no Auto da Compadecida reúne dois universos da cultura popular brasileira – a dramaturgia e as personagens de Ariano Suassuna e a genialidade do grupo de comediantes liderados por Renato Aragão.
livre
ter 02.10 20h30  | sex 12.10 14h00 | dom 14.10 16h00 | qua 26.09 19h00

 

Cinemateca Brasileira
Largo Senador Raul Cardoso, 207 | Vila Clementino | São Paulo | 04021-070
11 3512.6111 | contato@cinemateca.gov.br